Portuguese English Italian Spanish

Icon testemunhos

icon publica

ICON IMC90

Icons left ANUARIO

Relato da Viagem a Angola
Terça, 09 Janeiro 2018 20:17

Visita Superior 2017 Ofertório13-17 de Dezembro: Kapalanga-Luanda
Parto para Angola. Depois de 4 horas de voo directo entre Maputo e Luanda na Companhia Aérea de Angola (TAAG) cheguei a Luanda às 21.00. Esperam-me os Padres Freddy Gomez e Marcos Sembeye. Pouco depois chegamos ao Bairro de Kapalanga, na periferia de Maputo onde residem os Padres da Consolata.
O dia seguinte é de encontro com o arcebispo de Luanda  Dom Filomeno do Nascimento Vieira Dias, um antigo colega de estudos em Roma, que não encontrava há mais de 20 anos. Falamos sobre da presença dos Missionários da Consolata em Angola. E foi uma oportunidade para pedir alguns conselhos. 

É o início da Novena de preparação do Natal nas comunidades da Paróquia de Kapalanga e ajudo também nas celebrações que têm uma grande participação de fiéis. Desde a última visita, em finais de 2015, vejo algumas novidades: a construção de um alpendre lateral na igreja para acolher mais pessoas e protege-las do sol, colocação de mosaico em todo o chão da igreja. Os missionários trabalham mas não ofazem sózinhos, a comunidade caminha com eles.
18-22 Dezembro: Visita ao Moxico-Luena e a LuacanoVisita Superior 2017 Luacano
Pontualmente, às 5.00 da manhã parto para Luena com o Padre Fredy Goméz. Luena situa-se a leste de Luanda, a 1350 km. O clima é mais fresco e as chuvas caem com intensidade. Somos acolhidos no Paço episcopal por Dom Jesus Tirso Blanco (Dom Tirso), Bispo de Luena, com muita amabilidade e simpatia. Agradeceu a disponibilidade dos Missionários da Consolata para trabalhar na sua diocese. Falou-nos das principais dificuldades e preocupações. Ficou-me a imagem dum homem extremamente zeloso e dinâmico, sempre à procura de novos caminhos e de novas soluções para superar as dificuldades com que se vai deparando no exercício do seu ministério. Um verdadeiro pastor!
A passagem por Luena foi rápida mas intensa, um dia inteiro, quase todo passado em visitas às paróquias da cidade e dos arredores, incluíndo a Missão de Moxico Velho, a mais antiga da diocese, fundada 1933.
Visita Superior 2017 Estação LuacanoÀs 9.00, do dia seguinte partimos de comboio com Dom Tirso de Luena para Luacano. São 230 quilómetros na histórica Linha Férrea de Benguela. O caminho de ferro de Benguela, iniciado em 1899 e concluído em 1929, tem uma extensão de 1344 km e dá acesso à parte mais interior de Angola. Liga o litoral, o Porto de Lobito, e chega a Luau, na fronteira com o Congo. Atravessando a fronteira, encontra-se ligado às linhas ferroviárias da República Democrática do Congo e da Zâmbia. Com a guerra civil a linha férrea foi destruída e o comboio deixou de circular. Em 2009, foi concluída a remoção das minas que existiam nesta linha e deu-se início à sua completa reabilitação, trabalho que terminou em 2015.
A ligação entre Luena e o Município de Luacano está agora  facilitada. Em 4 horas de viagem atravessamos grandes planícies de floresta e sobretudo, junto ao Parque Nacional da Cameia, imensos pântanos cheios de água e cobertos por capim alto e pequenos arbustos. Nesta época das chuvas formam-se grandes lagoas onde abunda muito peixe. Às 13.00 chegámos à vila de Luacano. Fomos recebidos pelos responsáveis da comunidade cristã local que nos acompanham à futura residência dos Padres.
Chove intensamente. No dia seguinte, 20 de Dezembro, celebramos a Missa na capela de Luacano a que se seguiu uma reunião com a comunidade cristã para um momento de partilha e conhecimento mútuo. Apresento os Missionários da Consolata – seu carisma, missão, presença em África e em Angola. Os catequistas responsáveis das comunidade e das comissões apresentam a realidade da comunidade. Pastoralmente a comunidade atravessa grandes dificuldades. Ao abandono pastoral devido à ausência de missionários desde 1968 – devido à guerra colonial e civil, que foi muito intensa nesta região e que terminou apenas em 2002. O acompanhamento pastoral por parte da diocese tem sido mínimo, por falta de missionários, limitando-se a uma visita anual do bispo da diocese às comunidades do Município de Luacano, celebrando alguns sacramentos a candidatos ao baptismo e casamentos preparados pelos catequistas.
Visito os bairros situados ao redor de Luacano. Constato que existe muita população e muitas igrejas e seitas de tipo pentecostal. A pobreza e o desleixo saltam aos olhos. Tudo é muito precário. As casas são, em geral de adobe (blocos de barro), pequenas, cobertas com chapas de zinco, chão de terra batida, sem água e nem energia elétrica. Na vila de Luacano já há casas melhores, algumas do tempo colonial mas poucas pois quase tudo foi destruído com a guerra. Apenas algumas infra-estruturas foram construídas pelo Governo recentemente: escolas (pré-primária, primária, secundária e profissional), posto de saúde e maternidade, casas para os funcionários, etc..
No dia 21 de Dezembro, regresamos a Luena.e no dia seguinte, visitao a cidade, ex-vila Luso, fundada em Março de 1895, através da Portaria de 25 de Fevereiro de 1922, criando a sede da Província do Moxico. Com a independência, alcançada a 11 Novembro 1975, passou a chamar-se de Luena, nome do rio que banha o extremo sul da cidade. Actualmente a cidade tem mais de 300 mil habitantes. Luena está a 1.350 metros acima do nível do mar, possui um clima tropical modificado pela altitude, com uma pluviometria média anual de cerca de 1.200 mm e temperatura média de 21ºC.
Foi em Luena que ocorreram algumas das hostilidades que espoletaram a Guerra Civil Angolana, e foi aqui perto, no Lucusse, que foi morto Jonas Savimbi, líder da UNITAVisita Superior 2017 missa Funda, em 2002. É conhecida por cidade da paz, por ostentar o Monumento a Paz, que simboliza o fim do conflito armado que o país viveu.

23-31 de Dezembro: Visita a Funda-Caxito
No dia 23 de Dezembro regressamos a Luanda. À nossa espera estão os Padres Sylvester, Luiz António e Heradius, missionários da Consolata que trabalham na Paróquia de Nossa Senhora da Consolata: Inicio a visita aos missionários e à paróquia de Funda.
A nova Paróquia de Funda faz parte da Diocese de Caxito no noroeste de Angola. Caxito é a capital da província do Bengo e sede episcopal, Funda, noutros tempos, era considerada o celeiro de Luanda, e a maior parte dos seus habitantes dedicava-se à agricultura. Hoje, devido à chegada maciça de pessoas que deixam o centro de Luanda e se transferem para esta zona, a região de Funda está a transformar-se numa periferia urbana. Por isso, a população é constituída por um mosaico de étnias, sempre em crescimento, sem identidade cultural própria, carecidos de pontos de referência nas instituições públicas. O contínuo aumento da população torna difícil estimar o número exacto dos habitantes.
No mês de Dezembro de 2016 os Missionários da Consolata assumiram a responsabilidade pastoral da região de Funda com a tarefa de criar uma nova paróquia.
A comunidade de Funda, tem 23 bairros e é a menos populosa, com estimativa populacional de 65.595 habitantes. Os católicos são cerca de 18.000.
Visita Superior 2017 FundaNo dia Domingo 24 de Dezembro, véspera de Natal, a Paróquia de Funda recebeu a visita do bispo de Caxito, Dom António Jaca. Os fiéis das 20 comunidades que constituem a paróquia convergiram para a sede da nova paróquia situada no bairro de Mulondo. Em poucos meses, neste lugar – um terreno de 15.000 m2 - onde no início do ano anterior não havia nada, os missionários da Consolata com a colaboração das comunidades já edificaram as estruturas básicas para o funcionamento da Paróquia: um salão com 35 m x 15 m com sacristia e casas de . Muito trabalho realizado em pouco tempo.

Não só de obras materiais é feito o quotidiano dos nossos missionários, mas também de muita e qualificada acção pastoral: visita às comunidades cristãs, formação dos catequistas e dos diferentes ministérios, acompanhamentos dos grupos e movimentos laicais. Foram centenas os paroquianos que participaram na Missa celebrada ao ar livre pois o salão-igreja era pequeno para conter tamanha assembleia. Na homília, o bispo recordou e agradeceu o muito feito pelos missionários em tão pouco tempo. A assembleia manifestou o seu contentamento pela presença dos Missionários da Consolata e pelo trabalho que com eles estão realizando. Neste momento mobilizam-se para iniciar os trabalhos de construção da residência paroquial.
À noite presidi à Missa do Galo na sede paroquial. O salão-igreja estava cheio de fiéis que participaram activamente na celebração do nascimento de Jesus. Depois da Missa, os jovens representaram o teatro do nascimento de Jesus.
Celebro a Missa de Natal na comunidade de Cristo Rei no Bairro de Muculo, a cerca de 14 km da sede paroquial. Os outros padres celebram na sede paroquial e em outras duas comunidades cristãs.
Visita Superior 2017 noviçosA Paróquia de Nossa Senhora da Consolata de Funda é constituída por 20 comunidades cristãs, organizadas em 4 zonas pastorais. O território da paróquia é de cerca de 132 km 2, situado entre as margens do rio Bengo e uma elevação que de Kifangondo vai até ao lago Cabiri. A Paróquia tem cerca de 20 km de cumprimentos e 7 km de largura.
No último dia encontro-me com os missionários das duas comunidades IMC de Angola em Funda. É um acontecimento importante pois é a primeira visita do superior da Região de Moçambique com os missionários da Consolata de Angola.
O tema principal do nosso encontro foi a reflexão sobre a proposta um Projecto Missionário IMC em Angola o qual dê as linhas gerais da nossa forma de presença e acção para o futuro e que contemple todas as áreas do nosso agir e ser missionário: vida comunitária, acção pastoral, Animação Missionária e Vocacional, Formação de base e permanente.
Apresentei o relatório da minha visita às Dioceses de Luena e Luacano. Os missionários consideram necessária esta nova missão pois trata-se de retomar a evangelização católica numa região totalmente abandonada. Com a chegada de mais três missionários vamos iniciar ainda este ano a nova missão de Luacano.

P. Diamantino Antunes

Actualizado em Terça, 09 Janeiro 2018 21:15